Santos estava na briga pela licitação do Pacaembu (Foto: Ivan Storti/Santos FC)
Santos vai receber o Nacional no Pacaembu (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Santos participará de consórcio para disputar a licitação do Pacaembu

O Santos entrará na disputa pela licitação da Prefeitura de São Paulo para a concessão do Pacaembu. A diretoria alvinegra, comandada pelo presidente José Carlos Peres, se aliará a um consórcio – ao lado de uma instituição financeira e mais duas empresas – para obter a administração do estádio paulistano. O Alvinegro e seus parceiros disputarão o “leilão” com mais três grupos interessados.

A abertura do envelope que decidirá o novo “dono” temporário do Paulo Machado de Carvalho acontecerá na próxima quinta-feira (16), na capital paulista. Conforme o edital, depois de analisar as propostas e todos os documentos entregues, obedecendo a eventual pedido de recurso, será homologado o vencedor. A estimativa é que o contrato de concessão do complexo seja assinado até setembro.

A associação com a futura administração do estádio renderia ao Santos a possibilidade de priorizar os jogos na capital diminuindo – ou zerando – custos com aluguel não só do estádio, mas tudo o que compõe o jogo, como lanchonetes, banheiros químicos, entre outras coisas. A ideia é fazer algo semelhante com a parceria entre WTorre e Palmeiras, dividindo o uso do estádio entre as empresas do consórcio.

A licitação de concorrência internacional e com prazo de 36 anos prevê a possibilidade do pagamento da outorga de R$ 36 milhões – também valor do lance mínimo – diluída no prazo de 10 anos, com carência de quatro. Se o lance do vencedor for mais que este valor, a diferença deverá ser paga no ato da assinatura do contrato.

O vencedor da licitação ficará responsável por reformar banheiros, vestiários, lanchonetes, pistas de atletismo, assentos das arquibancadas e pela implantação de geradores. Também deverá modernizar os sistemas elétricos, hidráulicos e de telecomunicações, além da construção de novos sanitários.

Ver o Santos administrando o Pacaembu é um sonho do presidente José Carlos Peres, que prometeu durante sua campanha eleitoral mandar mais jogos no estádio em 2018. Depois de remanejar alguns duelos para a Vila Belmiro e sofrer com decisões da Polícia Militar por conta de jogos de rivais em São Paulo, o Santos conseguiu mandar apenas sete compromissos no Pacaembu em pouco mais de sete meses.

Comentários

comentário