Copete será titular no duelo contra o Vasco, no Rio (Foto: Vítor Henrique / Santista Roxo)
Copete será titular no duelo contra o Vasco, no Rio (Foto: Vítor Henrique / Santista Roxo)

Copete analisa duelo no Rio e minimiza vantagem do Corinthians na ponta

Depois de cumprir suspensão automática na vitória do Santos FC sobre o Atlético-MG por 1 a 0, em Minas Gerais, na última quarta-feira (12), Copete voltará ao time titular contra o Vasco, neste domingo (16), às 16h, no estádio Nilton Santos, pela décima quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

Para o colombiano, o Peixe não terá vantagem pelo fato do jogo ser realizado com portões fechados – após a briga entre vascaínos e a Polícia Militar em São Januário no clássico entre Vasco e Flamengo, a CBF definiu que a equipe cruzmaltina terá que mandar o jogo contra o Peixe no Engenhão e sem a presença dos torcedores.

“Dentro do campo são 11 contra 11. Tem que ter uma luta muito importante para vencer. Jogar com portões fechados não tem importância. Temos que lutar em campo pela vitória… Sabemos que é um time de qualidade, com bons jogadores, que sabem jogar com a bola. Temos que ter muito cuidado e aproveitar as jogadas de contra-ataque. Temos que estar tranquilos para termos possibilidade de um grande jogo”, disse o camisa 36.

Apesar da vitória em Minas, o Alvinegro permanece a 12 pontos do Corinthians, atual líder do Brasileirão. Indagado sobre a possibilidade de título, Copete admitiu a dificuldade, mas deu o exemplo do campeão Palmeiras em 2016, que foi pressionado pelo Santos no fim do torneio – na trigésima quinta rodada, Santos e Palmeiras chegaram a ficar a apenas quatro pontos de distância. No fim, porém, o time da Vila, vice-campeão, ficou a 9 do arquirrival.

“No ano passado quando eu cheguei, o Palmeiras tinha essa vantagem para o Santos e ficamos em segundo e colocamos pressão. Tudo pode acontecer no Brasileiro e seguimos trabalhando. Enquanto puder lutar, vamos seguir”, pontuou.

Após o treino na manhã deste sábado (15), a delegação santista viaja para o Rio de Janeiro após o almoço.

Sob supervisão de Gabriela Fernandes 

Comentários

comentário