Santos estava na briga pela licitação do Pacaembu (Foto: Ivan Storti/Santos FC)
Santos vai receber o Nacional no Pacaembu (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Consórcio leva licitação do Pacaembu por R$ 111 milhões; Santos estava na briga

A prefeitura de São Paulo concluiu o processo de concessão do Pacaembu na manhã desta sexta-feira (8). O vencedor foi o consórcio Patrimônio São Paulo, formado pelo fundo de investimentos Savona e pela empresa Progen. O ganhador poderá explorar o estádio pelos próximos 35 anos.

Como antecipou o Santista Roxo em 2018, o Santos estava na briga pela concessão. A proposta do Peixe foi a segunda mais alta, de R$ 88 milhões. A WTorre apresentou oferta de R$ 46 milhões, enquanto a ConstruCap de R$ 44 milhões. As empresas têm prazo de cinco dias para contestar o resultado.

Os envelopes com as propostas estavam lacrados desde agosto do ano passado quando João Doria (PSDB) ainda era prefeito da cidade e foram abertos apenas nesta sexta. A licitação ocorreu um dia depois de o Tribunal de Contas do Município liberar o processo. Foi justamente o TCM quem brecou a evolução da licitação no ano passado, quando fez uma série de questionamentos sobre a privatização.

Derrotado na licitação, o Santos terá de conversar com o consórcio vencedor para poder atuar no Pacaembu e, quem sabe, buscar uma parceria para os próximos anos. Ver o Santos administrando o Pacaembu era um sonho antigo do presidente José Carlos Peres.

Com a reforma da Vila Belmiro este ano, o Santos atuará ainda mais no estádio paulistano em 2019. A ideia de José Carlos Peres é mandar cerca de 60% dos jogos no Pacaembu. O próximo compromisso será já neste sábado (9), contra o Mirassol, às 17h, pela sexta rodada do Campeonato Paulista.

Comentários

comentário