Presidente do Santos, José Carlos Peres (Foto: Divulgação/Santos FC)
Presidente do Santos, José Carlos Peres (Foto: Divulgação/Santos FC)

Com urnas na Vila, Conselho confirma votação do impeachment para o dia 29

O presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Teixeira, confirmou na última quarta-feira (12) que a assembleia extraordinária para definir o futuro de José Carlos Peres acontecerá no dia 29 de setembro. Nesta semana, o Conselho aprovou o prosseguimento dos dois processos de impeachment contra o mandatário.

A primeira publicação do edital será nesta sexta-feira (14), com 15 dias de antecedência, conforme determina o estatuto social do Santos. Vale lembrar que, apesar do pedido de Peres, a capital paulista não receberá urnas. A Vila Belmiro será o único local para votação, das 10h às 18h do dia 29.

“Reunimos a Comissão de Estatuto porque pretendíamos manter urnas em São Paulo, mas o estatuto permite assembleias na capital apenas nos casos de eleição de presidente e vice-presidente ou composição do egrégio Conselho”, disse Teixeira. “É mais uma grande falha estatutária que devemos corrigir para atender os associados da capital e de outras cidades”, concluiu ao jornal A Tribuna.

Apenas sócios adimplentes e que estão há mais de um ano no registro do Santos poderão votar. É importante destacar que o Clube apontou um movimento estranho na Secretaria Social nos últimos dias e, por isso, o pagamento de débitos antigos só poderão ser quitados de forma individual.

Caso a assembleia de sócios defina pelo impeachment de Peres, o vice-presidente Orlando Rollo é quem assume o cargo. Os dois processos também tiveram pareceres favoráveis ao impedimento produzidos pela Comissão de Inquérito e Sindicância antes da votação no Conselho.

O primeiro impeachment, que teve 73 assinaturas, é liderado pelo conselheiro Alexandre Silva e tem como base uma portaria criada por Peres determinando que as contratações do Santos só podem ocorrer mediante determinação do presidente. O segundo, encabeçado por Esmeraldo Tarquínio e com 101 assinaturas, baseia-se nas empresas mantidas pelo mandatário, Saga Talent e Peres Sports & Marketing. Os dois casos infringem o estatuto do Alvinegro e a pena é de destituição da presidência.

Comentários

comentário