José Carlos Peres, atual presidente do Santos (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)
José Carlos Peres, atual presidente do Santos (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

Caso Zeca, conversas com a Caixa, retorno de Bruno Henrique aos gramados e novos empréstimos: Peres responde

Acompanhado do vice Orlando Rollo e de membros do Comitê de Gestão, o presidente do Santos, José Carlos Peres, esteve presente no lançamento dos novos uniformes confeccionados pela Umbro e, logo após o fim da apresentação das novas camisas, falou sobre assuntos importantes do Clube.

Durante a conversa com os jornalistas, o mandatário explicou em que pé está a negociação entre Santos e Internacional no caso Zeca e Eduardo Sasha, o feedback dos exames sobre o olho direito de Bruno Henrique na Alemanha, conversas com a Caixa para o patrocínio master e a expectativa para o Campeonato Brasileiro, que inicia para o Santos neste sábado (14), às 21h, contra o Ceará, no Pacaembu.

Troca com o Internacional (Zeca no Colorado e Sasha no Peixe). De acordo com o presidente, o Santos ficou com 100% dos direitos de Zeca após negociar com o empresário Cidão, da Airc Sports. Neste negócio, o time santista ainda deve receber Nicos Lopes ou Seijas por empréstimo de um ano

Essa é uma negociação que demorou bastante, mas só ficou cristalina de uma semana pra cá. Está bem encaminhada, faltam detalhes. O Sasha em definitivo conosco e o Zeca em definitivo lá. Em um modelo em que nós preservamos uma parte dos diretos econômicos e o Inter também detém uma parte dos direitos do Sasha. Nos antecipamos na negociação. Não vai haver fatiamento. O Santos já adquiriu os 30% do Zeca e hoje somos detentores de 100% do jogador. O Inter também pelo que disseram adquiriu a parte do empresário do Sasha. Na negociação é 100% do Inter e do Santos. O Santos já adquiriu a parte do empresário. Não precisou de investidor, o próprio Clube investiu e é 100% detentor dos direitos do Zeca.

Retorno de Bruno Henrique após exames na Alemanha

O Bruno e o médico chegam de madrugada de Frankfurt. Ele fez exames. Não fará tratamento lá, temos grandes oftalmologistas no Brasil, especialistas de retina. Queríamos saber se o tratamento era o correto e estava indo bem. Já está liberado para jogar. Não vai precisar de óculos, o que é importante. Poderá já fazer seus treinos sem óculos. Mas é prematuro dizer quando será a volta. Pode ser rápido e pode demorar um pouco. Não temos pressa. Além do Bruno Henrique, há um ser humano que precisa ter a recuperação de sua vista 100% e não correr risco algum de esse tratamento regredir. A expectativa é boa. Só vou saber com detalhes quando falar com o médico, mas de bate pronto disse que está tudo bem e não tem nenhum problema. Esperamos que a notícia que traga na reunião de amanhã seja boa.

Empréstimos e saída (quase) confirmada de Caju

As duas transações foram efetuadas, estão agora na assinatura de contrato. Leandro Donizete está indo para o América-MG e Caju para um time francês (o Amiens). A política daqui para frente é não ter jogadores que não são aproveitados. O momento é de fazer empréstimos para enxugar o elenco, que está inchado. E só ficar os jogadores que estão jogando, os que são reservas e outros que puderem ser aproveitados. Estamos no processo de colocar todo esse pessoal para trabalhar em outro Clube.

A folha já tem um alívio anual de R$ 39 milhões. É praticamente dois patrocínios, porque a máquina do Santos era grande, inchada. Tivemos que fazer um processo de que a máquina voltasse ao tamanho do Clube. Estive no México agora cinco dias e lá percebi que uma estrutura como a do Santos não pode ter mais do que 100 funcionários. Isso, sem contar os jogadores. Então, ainda a gente precisa diminuir mais, enxugar mais e com isso teremos fôlego já para fazer contratações.

Negociações com a Caixa para o patrocínio master

Estamos negociando ainda com a Caixa a renovação, mas agora vai ser conduzida pelo Frazão (novo gerente de marketing). Já está bem adiantado e, a não ser que surja uma novidade, é a Caixa Econômica Federal. Só depende da Caixa, porque ela tem um padrão de início dos contratos. O Santos da última vez que assinou foi fora do padrão, mas ela adota um padrão e talvez seja mês que vem. A Caixa tem o limite dela e é difícil sair. A gente negociou bastante, mas, para falar a verdade, eles têm um limite não só para o Santos, mas também para outros times, como o Flamengo e outros que têm a marca. Foram obrigados também a aceitar o mesmo valor que o ano passado.

Campeonato Brasileiro e expectativa

Muita expectativa. O Santos tem uma meninada boa, manteve essa filosofia de investir na base. Temos expectativa para o Campeonato Brasileiro e na sequência da Libertadores. Como disse, reforços só vamos poder a partir de julho, que é quando abre a janela. Isso não impede de se contratar antes. Estamos trabalhando. O único entrave que tem é que a temporada lá fora fecha em abril ou maio.

Comentários

comentário