Cuca, técnico do Santos (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Apesar de provável saída, Cuca não abre mão de participar de planejamento do Santos para 2019

Apesar de um discurso incisivo de que deve deixar o Santos por problemas de saúde, o técnico Cuca não quer deixar o clube na mão. Por isso, o treinador vem trabalhando nos bastidores visando o planejamento da equipe para 2019 mesmo após a declaração. E disso ele não abre mão.

Na visão do treinador, diferentemente deste ano em que o Santos viveu uma extensa crise política e viu seus principais pilares do elenco “abandonarem” o barco, como foram os casos de Ricardo Oliveira, Lucas Lima e Zeca, o Peixe precisa se planejar melhor caso queira colher bons frutos.

“Santos tem que planejar melhor ano que vem para ser mais forte, não adianta ficar bravo comigo. Perdemos Lucas Lima, Ricardo Oliveira, Zeca, Thiago Maia, repôs com jogadores bons, mas demora a adaptar. Santos tem que montar plantel mais fortalecido, nessa altura do campeonato faz diferença. Pusemos o Felippe Cardoso para jogar, com um treino apenas, fez bom jogo na minha opinião. Vamos esperar os três da seleção, ficamos mais qualificados e vamos encerrar ano da melhor forma possível. Não tenho nada a reclamar, eles têm feito tudo que é possível”, disse Cuca em entrevista coletiva.

O treinador também citou que vem conversando semanalmente com o presidente José Carlos Peres, com quem não tem bom relacionamento. A pauta é sobre sua situação daqui pra frente e possíveis reforços. Segundo o treinador, no que depender dele, terá “braços abertos” para ajudar o Santos.

“Não quero criticar. Montar elenco não é fácil, ficamos desequilibrados em alguns momentos. E aí não tem como fazer, manter nível de atuação e a gente com desequilíbrio na armação, na defesa, na cabeça de área… E faz a equipe não ter o alto nível de outros momentos, é a realidade… Eu tenho conversado bastante com o Peres, temos conversado e vamos esperar acabar da melhor forma possível, fazendo o melhor e já ir planejando. Sou funcionário e tenho que planejar, é minha obrigação. Se quiserem que eu ajude, terei braços abertos. Não sou eu que tenho que fazer as coisas, têm que ser simultânea”, emendou o treinador, que deve expor sua decisão se fica ou não no Santos ao fim do Campeonato Brasileiro.

Apesar da boa intenção, Cuca já sabe que o nome de prováveis técnicos substitutos estarão em pauta nos próximos dias. Dorival Júnior, com contrato no Flamengo até o fim do ano, Zé Ricardo, em bom momento no Botafogo, Rogério Ceni, no Fortaleza, e Abel Braga, desempregado, devem ser especulados.

Comentários

comentário