Victor Ferraz, lateral-direito (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Antes criticado, Ferraz analisa volta por cima no Santos e exalta Cuca: “Diferencial”

Depois de um início de ano conturbado, Victor Ferraz deu a volta por cima no Santos e hoje é um dos atletas titulares mais elogiados pela torcida santista. O lateral-direito reconquistou sua vaga na equipe após uma grave lesão no ombro em janeiro e, depois de alguns jogos, passou a ser o capitão do elenco.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (10), o jogador de 30 anos comemorou a volta por cima no Santos e explicou os motivos para que tenha caído de rendimento entre o ano passado e o início de 2018.

“Foi um ano bem diferente, né? Eu falei isso na minha última coletiva, eu realmente tenho a noção que no início deste ano e até no fim do ano passado já tinha caído de rendimento. Não comecei bem, calhou bem no nascimento do meu filho, Miguel. Eu dormia pouco e não descansava direito, não soube administrar esta questão. Não disse que era o fator principal, mas não me concentrei bem. Minha esposa me ajudou para que eu voltasse melhor. Me recuperei da lesão, foram cinco ou seis jogos que fiquei no banco. Serviu para que me preparasse melhor e conhecer melhor meus novos companheiros. Eu tinha outros com outras características e estilo de jogar. Eu me acostumei, estou feliz com o momento que estou vivendo, talvez o meu melhor novamente no Santos”, disse o atleta.

Victor Ferraz também vê a chegada do técnico Cuca como um diferencial para a volta por cima não só dele, mas de todo o elenco santista. Antes disso, no entanto, ele lembrou que já vinha crescendo de produção ainda com Jair Ventura, demitido em julho e atualmente no Corinthians.

“Quando o Jair saiu, eu já vinha crescendo. Posso falar desta maneira. Eu já conseguia agradar o torcedor. A chegada foi um diferencial, conseguiu arrumar e temos mais liberdade. Eu adoro jogar por dentro também mesmo estando na lateral. A gente fica muito feliz que ele tenha aceitado e abraçou o elenco. Tem dado oportunidades para diversos jogadores jogarem. Todos ficam motivados, porque a qualquer momento podem jogar como titulares. Ele tem uma porcentagem grande na minha boa fase”, completou.

Em 2018, o lateral-direito participou de 34 jogos, com dois gols marcados e duas assistências. Desde 2014, ano em que chegou ao Alvinegro Praiano, ele participou de 206 jogos e marcou oito gols, além de conquistar os títulos Paulistas de 2015 e 2016.

Comentários

comentário