Peres quer apoio dos associados (Foto: Fernando Dantas: Gazeta Press)
Peres é novo presidente do Santos durante os próximos três anos (Fernando Dantas: Gazeta Press)

Alvo de impeachment, Peres acredita que terá apoio dos sócios em votação

Depois de o Conselho Deliberativo aprovar os dois processos de impeachment, o presidente José Carlos Peres precisará do apoio dos sócios do Santos em reunião extraordinária no dia 29 de setembro, na Vila Belmiro. Eles decidirão se o mandatário continuará ou não na presidência.

Confiante, Peres disse que está preparando uma campanha nas redes sociais para pedir sua salvação aos associados. Apenas os adimplentes e que estão há mais de um ano no registro do Santos poderão votar. É importante destacar que o Alvinegro apontou um movimento estranho na Secretaria Social nos últimos dias e, por isso, o pagamento de débitos antigos só poderá ser quitado individualmente.

“Preparamos uma campanha. Redes sociais falam por si só, apoiam a presidência. Sabem que vim aqui para limpar a casa. Têm dois caminhos para seguir: primeiro é relaxar, deixar roubar, amigo de todos, encher de funcionário, vai ser o melhor da história para os próximos. Outro é ser o mais odiado da história, mais combatido, mas que vai deixar um outro Santos daqui a dois anos. É essa a mensagem que eu passo. Por que dois impeachments políticos e desconexos? Qualquer juiz diz que não pode e que parece peça de filme. Conto com associado do Santos no dia 29 e até o Conselho”, disse Peres.

A primeira publicação do edital da votação será nesta sexta-feira (14), com 15 dias de antecedência, conforme determina o estatuto social. Vale lembrar que, apesar do pedido de Peres, a capital paulista não receberá urnas. A Vila Belmiro será o único local para votação, das 10h às 18h do dia 29.

Apesar de não ter mais da metade dos conselheiros ao seu favor, Peres espera “bom senso” de cada um.

“Conto com bom senso dos conselheiros. Eles querem a desgraça por interesses próprios. Vão se esconder depois do dia 29. Quero dar a mão ao Conselho, vamos levantar o Clube. Santos precisa de união e paz como diz o Clube. Com impeachment, não haverá nem união nem paz. Se volto, vão ficar desaprovados e isso é terrível para um órgão ser julgado. Não estou sendo julgado sozinho, eles também. Conselho também. Não sou eu. É claro que existe e ficou deflagrado que é Peres contra Rollo. Rollo contra Peres”, completou o presidente.

Caso a assembleia de sócios defina pelo impeachment de Peres, o vice-presidente Orlando Rollo é quem assume o cargo. Vale lembrar que ambos estão rachados politicamente e trocam acusações publicas. Enquanto Peres diz que é vítima de golpe do vice, Rollo alega que não tem nada a ver com os processos.

O primeiro impeachment, que teve 73 assinaturas, é liderado pelo conselheiro Alexandre Silva e tem como base uma portaria criada por Peres determinando que as contratações do Santos só podem ocorrer mediante determinação do presidente. O segundo, encabeçado por Esmeraldo Tarquínio e com 101 assinaturas, baseia-se nas empresas mantidas pelo mandatário, Saga Talent e Peres Sports & Marketing. Os dois casos infringem o estatuto do Alvinegro e a pena é de destituição da presidência.

Comentários

comentário