Fazendo a defesa do parecer da Comissão Fiscal (Foto: Rachid Bourdoukan)
Fazendo a defesa do parecer da Comissão Fiscal (Foto: Rachid Bourdoukan)

Reprovação das contas do Exercício de 2017

Ontem (26) tivemos mais uma noite triste no Conselho Deliberativo do Santos Futebol Clube com a reprovação das contas do Exercício de 2017.

Após receber e analisar o balanço e os pareceres, ficou claro que seria impossível aprovar as contas. Impostos retidos e não depositados, comissões sem explicações e acordos inexplicáveis são alguns temas que justificavam a reprovação.

Fiz minha inscrição para defender o parecer da Comissão Fiscal e, pouco antes da reunião iniciar, fui chamado pelo presidente da mesa, Marcelo Teixeira, para saber se poderia retirar meu nome pois NINGUÉM defenderia o outro lado e, assim sendo, teríamos uma reunião mais rápida. Prontamente aceitei e qual foi meu espanto quando a Comissão Fiscal terminava sua explanação e aparece o ex-presidente, Modesto Roma Júnior, para se defender.

Ele até tentou, mas não existe explicação racional para reter impostos dos funcionários e não fazer seu pagamento. Acabei sendo chamado de última hora para defender o parecer e o fiz de forma simples e objetiva, já que ele fala por si só. Entendi que não precisava atacar o ex-presidente ou sua gestão, mas apenas dizer que o ótimo trabalho da Comissão Fiscal deveria ser respeitado e prestigiado com o voto de aprovação. As contas foram rejeitadas quase por unanimidade e, dos aproximadamente 180 conselheiros presentes, apenas uns 10 ou 15 votaram contra.

O segundo tema da pauta foi com a presença do Comitê de Gestão. Eles estavam presentes para esclarecer as dúvidas dos conselheiros, mas meu sentimento é de que muita coisa foi dita e nada foi falado. Para mim, o Clube aparenta estar desgovernado e sem cérebro. Posso estar errado, mas esta é a sensação que tenho. Tive o direito de me manifestar novamente e desta vez optei por não perguntar ao presidente José Carlos Peres e sim a todos os outros membros do Comitê Gestor.

Minha dúvida era se todos os sete membros estão participando, como manda o Estatuto em seu art. 64 letras B e C, das decisões do Clube. Aqui acredito caber uma explicação: li as atas do Comitê de Gestão e nelas não constam decisões colegiadas para contratações e demissões dos funcionários.

A reunião quase foi finalizada sem ter minha dúvida respondida e, mesmo direcionando aos membros do CG, foi ‘respondida’ pelo presidente. Encaminharam para o fim, tive que intervir e refazer o pedido, porém desta vez houve manifestação, mas apenas um deles conseguiu ser objetivo e dizer que “sim, participamos das decisões do Clube”. Os demais fizeram um grande discurso se justificando, mas me deixaram com a sensação de que algo muito grave está por trás de suas respostas.

No meio de tantas explicações, uma pessoa em especial deixou registrado todo o seu descontentamento: o vice-presidente Orlando Rollo. Em sua resposta, disse que o que eu queria saber estava exposto nas atas do Comitê de Gestão e, sendo assim, ficou claro que nada deste tema está sendo discutido nas reuniões do CG, já que ele não existe nas atas e o próprio presidente disse que demitiu mais de 400 funcionários.

REPROVAÇÃO DAS CONTAS

O Artigo 93, parágrafo sexto, letra E, fala especificamente sobre este tema. O ex-presidente tem até o dia 5 de abril ou o primeiro dia útil seguinte para fazer as correções deste balanço e dar todas as explicações necessárias. A Comissão Fiscal terá até o dia 10 deste mesmo mês para fazer um novo parecer e até o dia 20 uma nova reunião do Conselho Deliberativo deverá ser realizada para a discussão do novo parecer. Em caso de nova reprovação, as contas deverão ser enviadas à Comissão de Inquérito e Sindicância para análise e sugestão de punição a todos os envolvidos na gestão.

Espero ter conseguido passar um pouco do que foi a reunião e trazer à luz os assuntos discutidos e de interesse de toda a torcida santista. Estou disponível para qualquer dúvida que vocês tenham, pois entendo que o conselheiro é o representante da torcida no Clube.

Comentários

comentário