Em 2003, drama santista teve final feliz com três defesas de Fábio Costa (Foto: Gazeta Press)

Prepare o coração: histórico do Santos na Libertadores indica drama

História do Peixe na Copa Libertadores mostra que empatar na primeira partida das oitavas de final é garantia de drama no jogo seguinte

Prepare o seu coração, torcedor santista. Se depender do histórico, a próxima terça-feira (28) promete muita emoção. Nas duas oportunidades em que o Santos empatou a primeira partida, na oitavas de final da Copa Libertadores, os jogos de volta foram dos mais dramáticos.

Em 2003, o empate em 4×4 diante do Nacional (Uruguai), em Montevidéu, fez com que as equipes chegassem ao jogo de volta em igualdade. A partida na Vila Belmiro começou com muita tensão, mas logo Ricardo Oliveira abriu o placar. Os uruguaios viraram antes do intervalo: O’Neill surpreendeu Fábio Costa em cobrança direta de falta e Eguren marcou com bela finalização. A temperatura subiu e na base do abafa o Peixe empatou, com André Luís. Na decisão por pênaltis, brilhou a estrela do goleiro Fábio Costa: com três defesas, garantiu a vaga na próxima fase.

Na outra eliminatória em que a primeira partida terminou empatada, em 2007, novo drama. O Santos visitou o Caracas, da Venezuela e trouxe o empate (2×2) para a segunda partida, na Vila Belmiro. No início do jogo decisivo, os venezuelanos surpreenderam e fizeram dois gols (aos 22 e 31 do primeiro tempo). O pânico da arquibancada foi amenizado com gols de Adaílton e Zé Roberto: o Santos empatou o jogo em seis minutos. Ainda assim, o nervosismo persistiu até os 21 minutos do segundo tempo, quando Zé Roberto marcou e aliviou a barra santista. Vitória agônica e classificação às quartas de final.

Confira os melhores momentos das partidas:

2003 – Nacional (Uruguai)

 

2007 – Caracas (Venezuela)

Comentários

comentário